Páginas

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Transformando o DÁ-ME em FAZE-ME...

Em Lucas 15:12, Jesus em uma de suas parábolas, descreve a história de uma família. Não era qualquer família... era uma família materialmente falando, muito bem estruturada: terras, empregados, gados e até dinheiro (para pagar a herança do filho). Infelizmente, os filhos tinham problemas; os dois tinham! O mais moço, com o espírito egoísta, egocêntrico, querendo ter controle das coisas se aproxima ao Pai e diz (a primeira palavra que saiu de sua boca) Dá-me a parte que me pertence! Era como ele estivesse dizendo, eu não quero mais me sujeitar as suas regras, seu jeito de fazer as coisas, eu quero estar em controle das coisas! Note: eu quero, eu quero, eu quero... é o espírito dos dias de hoje, ninguém mais quer se sujeitar a nada! Ele vai morar numa terra longínqua, e lá ele viveu dissolutamente, gastando tudo que tinha. Casualmente, quando o dinheiro dele acabou, a parábola diz que a terra aonde ele morava entrou em crise e havia fome naquele lugar. Que azarão! Sem dinheiro, sem amigos e agora sem comida! No chiqueiro de porcos (o único emprego que ele conseguiu) ele pensava em tudo aquilo que ele perdeu ao seguir o DÁ-ME! O egoísmo, a insubmissão, a irreverência sempre nos leva ao chiqueiro! Lá no buraco ele decide voltar para casa... Ele já tinha o discurso dele decorado: vou dizer ao meu Pai, pequei contra ti e contra os céus... mas as primeiras palavras que ele falou foi: FAZE-ME UM DE TEUS JORNALEIROS! O chiqueiro tirou dele o DÁ-ME E TRANFORMOU-O NO FAZE-ME! Que pena, ele teve que perder tudo... ele voltou pobre, quebrado, sujo, doente mas com a atitude certa! Não tente tirar das mãos de Deus, o controle de sua vida... Ele sabe o que é melhor para você! Cuide de sua atitude... o DÁ-ME pode te levar ao buraco. Eu digo: FAZ DE MIM DEUS, O QUE O SENHOR QUISER. MINHA VIDA ESTÁ EM SUAS MÃOS. O que importa não é o que eu quero, mas o que o Senhor sabe que é melhor para mim!
Robert Cleveland Lambeth

Nenhum comentário:

Postar um comentário